Fala Carla Maria

Sunday, July 30, 2006

Carla Maria abre o coração

uma cor?

amarela (esta semana)

uma fruta?

Manga

uma alegria?

uma alegria

olha, lembrei do Gui agora, associei à palavra ALEGRIA

uma tristeza?

perda

morte de quem a gente ama

uma decepção?

hum

recentemente

ouvi da Gi, que uma grande amiga nossa não quer me ver mais

sei lá

não chegeui a ficar ruim, mas chocou um pouco

um dia bom?

foram muitos, geralmente tiro alguma coisa de bom, qndo da, mas

o dia da minha formatura, foi bem lindo, o dia em que te conheci, tb

sério

um dia ruim?

hum, um dia que briguei com minha mãe, feio

ainda na infância

foi uma bronca grande, ela num aguentou

e começou a chorar na minha frente

senti que tinha causado uma decepção muito grande pra ela

levei mais ou menos uns 20 anos pra entender que não era eu a culpada

ehehhe

um fato crucial na história?

o dia da Parada Gay EM FLORIPA

huuhauh

a forma de governo menos mal?

acho que a atual

shit always be there

huauhahu

um dia?

aniversario de 90 da Vó Rosa, na Casa do Minho

deus é?

poder compreender e aceitar diferenças

amor é?

aceitar que se chora na hora "errada" às vezes

trocando as palavras: aceitar a dor do outro

depois da morte é?

sem registro

sem registro

sem registro

como diria Robocop

huahuahuhuahuhau

o ato mais belo que um ser humano pode fazer é?

hum

hum

transformar dor em arte

é massa

e o pior?

sentir inveja da felicidade do outro

essa foi pra Caras heim

se arrepender e nunca mudar

o universo é?

aquela sensação boa que sentimos qndo tomamos um café doce, olhando da janela de um avião, e no aeroporto está nos esperando, alguém que amamos muuitão

hum que delicia

a vida é?

..

em alguns momentos, sentir que falta tudo, em outros, sentir que temos demais. Mas em geral, vida é uma eterna busca por alguma coisa, que geralmente ta do nosso lado

o que é um abraço?

é o motor, dessa busca, é o motor da vida

é a unidade com a qual se mede o

tem gente que precisa de vários pra sobreviver, outras menos

mas todo mundo precisa né

uma surpresa?

as vezes em que minhas primas chegavam do rio, e se escondiam atras da porta e me davam um susto qndo eu entrava

auhahuahuhua

um lamento?

ter sido fraca em alguns momentos, não ter tomado atitudes

me sentir imovel frente a algo que não concordo

isso lamento em mim

uma lembrança?

meu avô, falando, contando coisas da vida pra gente à mesa

hehhe

qq semelhança com conteudos da novela são mera coincidência

algo inesquecível?

o dia em que fomos ao Café do Sol, e comemos Taco

o dia em que ficamos esperando o arrastão na Zingla

e depois vimos a cara do teu pai recebendo aquela tainha sofrida

ahuuahhua

a pessoa mais importante pra ti?

essa pergunta é realmente muito, mas muito dificil

a coisa mais importante que tu aprendeste?

na vida, nunca se tem tudo, sempre algo, ou alguém estará fazendo falta

a que tu não conseguiste aprender?

a competir

um banho de chuva é?

uma dessas situações que fazem a gente sentir que faz parte de um universo

a melhor coisa que tu já fizeste?

eh

brinquei até tarde

a pior coisa que já fizeste?

fiquei cega , surda e muda, por conveniência

o que não deu pra evitar?

algumas palavrinhas que escaparam, e magoaram

a terra?

é nutrição

o tempo?

é resposta e pergunta de tudo

tua mãe?

uhauhauh



huahuahu

finalmente a gente tá amiga

com muitas diferenças

tu?

eu sou essa tola

tolerona

que num sabe o que faz

da vida

mas já decidiu algumas coisas importantes

uma frase?

Na frente de formiga, lagartixa faz pose de jacaré

huahuahuhuahuahuahuhu

Saturday, July 08, 2006

A TRAGÉDIA DA ASSISTENTE DE PALCO QUE CHEGOU DOIDONA EM SEU LOCAL DE TRABALHO!!! NA HORA DE BATER O PONTO...

um libelo contra a homofobia e outros tropeços da espécie


por Carla Maria
direto da passeata do orgulho GLBTPRKYZKM/HSS

fala Carla Maria

Nesta tarde quase noite, aqui no Teatro Pepino de Betanea, acaba de ocorrer mais uma grave ofensa contra uma das orientações sexuais humanas.
A Assitente de Palco Margô Starrr chegou boladona da balada (após ter dançado em cima da mesa no esquenta e pagado bundalelê pro pessoal que se aglomerava curioso já na entrada do inferninho).
Ao chegar, no modo automático, na recepção do teatro, atravessou a pequena multidão e se dirigiu ao relógio ponto nos fundos do estabelecimento, deixando cotoveladas e tropecinhos de martini pelo caminho.
Os cabelos em desalinho estavam ainda"esvoaçantes", a maquiagem dos olhos, lembrava um Panda reencarnado, além das lantejoulas e os paetês espalhados por todo lado.
Bastante agitada foi se dirigindo ao local aos gritos de: “Sai da frente que eu tenho que trabalhar” e “Não atrasa bófeee”.
Tentou primeiro assinar o cartão ponto com o cigarro aceso, falando pra si mesma: "ops", "ai", "hum", "te indireita", foi flagrada de forma fatal, assinando: Alfredo Bigorna da Silva.

Sêo Sinfrônio, fiscal do livro ponto, que na semana anterior completou uma década e meia de serviços honestamente prestados à empresa, olhava titubeante pro nome escrito e pra dançarina apressada (que já corria para seu camarim coletivo com as sandálias na mão):
- "Ora, ora, pois, pois e isso é certo? Dna Margot se equivocou, ou está assinando ponto pra algum marmanjo folgado que abusa da pobrezinha? Raios, o que fazaire?"

Foi correndo ao departamento pessoal do Teatro procurando pelo tal Sr Alfredo Bigorna da Silva e ninguém com este nome habitava o armário de prontuários, nem no arquivo morto.

Sêo Sinfrônio coça o bigode em camera lenta e com força:
- "Ora pois!"

Retornou ao seu posto, mas insatisfeito e preocupado. Volta ao DP.

-"Conheces algum centro espírita bom?" pergunta à dona Aleoníldes, funcionária de hábitos místicos e que, por inúmeras vezes tentou, sem sucesso, ingressar no quadro de dançarinas do programa, respondeu cariocamente disponível:

- "O Sr tá com algum problema de encosto sêo Sinfra?

- "Não! É q.." tenta responder.

-"Bem, anota ai vou precisar de uma listinha de coisas que vou ditar pro senhor me trazer depois do intervalo do almoço. Tem um quartinho lá atrás, que tô fazendo meus bordados, uns trabalhos paralelos! Sabe né seo Sinfra, temos que fazer de tudo!"

- "Anota ai: duas velas brancas de sete dias, uma peça de roupa do falecido ou falecida, farofa, dendê e um santinho do Alckmin. Ah, um potinho com pipoca. Olha, vai embora rapidinho. Sr. tem fé seu Sinfrônio?" (falou em tom alto, olhando nos olhos agoniados do homem).

- "Ora pois, exclamou Sinfrônio (depois de tentar interromper dna Aleonildes algumas vezes), não tem nada a veire comigo não!!"

- "Ué quem é então?"

- "É com a Dna Margot, acho que ela tá possuída por algum esprito ruim, compreendes? Alguma cousa de má procedência baixou na pobrezinha."

- "Ah, a grandalhona, aquelan?" deixando no ar sua frustração de vice. " Cruzes seo Sinfronio bate na madeira. Cruz credo, saravá tres vezes, num fala que chama."

- "Ai Jisux, num é que chamou mesmo. Olha ela vindo ali!!".

Dna Aleoníldes imediatamente puxou uma caixa preta que guardava embaixo de sua mesa cheia de papéis e holerites.
Primeiramente sacou um defumador. Acendeu com um fósforo, já tremendo. O cheiro de fumaça se espalhava no ambiente, despertando olhares dos colegas de trabalho, que procuravam não virar para a senhora de hábitos exóticos e ritualísticos nestes momentos, até porque já estavam se habituando.

Chega Dna Margot, esbaforida e ainda com o zumbido dos decibéis da noite anterior ecoando nos ouvidos. Se debruça no balcão, fala sem conseguir mirar em ninguém:

-" AI ME ESQUECIII MENÍÍNAAAA!!!!!QUE LOOOUCAAAAAAAAA!!!!ESQUECI A FITA PRA AMARRAR O BABADUUUUUUUUUUUUUU!!!!E AGORA?"

Seu Sinfrônio, que voltou a coçar os bigodes, diz:

-" Ai Minha Nossa Sinhoura de Fátima, acalme-se Dna Margot, logo este bicho cão dos infernos vai deixá-la em páx. Este beuzebu encapetado vai deixar a senhoura trabalhaire."

Falava e ao mesmo tempo, olhava com cara de SOS pra Dna Aleonildes, que a estas alturas, já havia montado um altar "anti satânico" em cima da mesa da repartição.

Dna Nildes passa a falar baixinho algumas palavras, orações talvez e de vez em quando piscava demoradamente inclinando a cabeça pra trás.

- "Dna Nildes, a Sra Está baim?"exclama Sinfra, sem saber quem acudia primeiro.
- "Ai Jisux, Dna Aleonildes fale comigo."

A crente mulher cai no chão, derrubando a lixeirinha de sua colega e fazendo balançar o bebedouro. Todos imediatamente foram em sua direção.

Neste mesmo momento Dna Margot vê algo em cima da mesa da esmilingüida
que quase a faz ficar sóbrea:
-"MONAAA!!! UMA FITA CRÉPIIIII!!!!!MEU SANTO EXPIDITU!!ESCONDO O BABADO E AINDA FAÇO DEPILAÇÃO"

Para felicidade da mesma, Dna Margot se apresentou muito bem naquela noite. Foi a Assistente mais filmada e aplaudida nas danças de palco.

Dna Nildes, "se encostou" alguns dias pra fazer tratamento psiquiátrico por comportamento religioso umbandístico compulsivo(pelo menos foi o que Seo Sinfrônio leu em seu prontuário).

Falando nele...sêo Sinfra perde o sono até hoje com esta história toda, pois volta e meia este tal de Alfredo volta a assinar "através" da frenética Dna Margot Star. Ele, que já tentou inumeras vezes falar sobre isso com a dançarina, não obtém respostas, apenas risadas com ar de piedade e marcas de beijo vermelhas na careca.

FIM